Contato

Quer entrar em contato conosco?

Ótimo, será um prazer falar com você. Mas para que ninguém perca tempo, ficam aqui algumas dicas:

1) Não atendemos a pedidos de informações para trabalhos escolares, por absoluta impossibilidade técnica (por favor, não insista). No entanto, o conteúdo de nossa propriedade está liberado para esse fim, mediante citação em seu trabalho (fonte: www.gracilianoramos.com.br).

2) Não temos livros para venda, doação ou empréstimo, seja em edições físicas ou digitais, novos ou usados.

3) Para tratar de cessão de direitos autorais de GR para quaisquer publicações, pedimos que se dirija à Editora Record:

RP Record
Caixa Postal 23.052
Rio de Janeiro – RJ
cep 20922-970,

pelo telefone (21) 2585-2000, ou pelo site da editora.

4) E  para enviar trabalhos para publicação neste site,
……………..tratar de adaptações para teatro, cinema ou tv,
……………..corresponder-se com um dos membros da família,
……………..tratar de outros assuntos,

comece preenchendo e enviando o formulário ao lado.

.

Ou utilize o formulário abaixo

Seu nome (obrigatório)

Seu e-mail (obrigatório)

Assunto

Sua mensagem

CONHEÇA A OBRA DE GRACILIANO RAMOS

  • Caetés (1933)
  • Caetés – edição especial 80 anos (2013)
  • S. Bernardo (1934)
  • Angústia (1936)
  • Angústia – edição especial 75 anos (2011)
  • Vidas Secas (1938)
  • Vidas Secas – edição especial 70 anos (2008)
  • Vidas Secas – em quadrinhos (2015)
  • Infância (1945)
  • Insônia (1947)
  • Memórias do Cárcere (1953)
  • Viagem (1954)
  • Linhas Tortas (1962)
  • Viventes das Alagoas (1962)
  • Garranchos (2012)
  • Cangaços (2014)
  • Conversas (2014)
  • A Terra dos Meninos Pelados (1939)
  • Histórias de Alexandre (1944)
  • Alexandre e Outros Heróis (1962)
  • O Estribo de Prata (1984)
  • Minsk (2013)
  • Cartas (1980)
  • Cartas de Amor a Heloísa (1992)
  • Dois Dedos (1945)
  • Histórias Incompletas (1946)
  • Brandão entre o Mar e o Amor (1942)
  • Memórias de um Negro (1940) Booker T. Washington, tradução
  • A Peste (1950) Albert Camus, tradução
vidas-secas

“A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso.
A palavra foi feita para dizer.”

em entrevista a Joel Silveira, 1948