Warning: mysqli_set_charset(): Error executing query in /var/www/html/graciliano.com.br/web/site/wp-includes/wp-db.php on line 756
 Graciliano Ramos
Warning: array_merge(): Argument #2 is not an array in /var/www/html/graciliano.com.br/web/site/wp-content/plugins/wp-pagenavi/scb/Options.php on line 62

Obra

Cartas (1980)

Obra de publicação póstuma, Cartas reúne a correspondência íntima de Graciliano e traz desde cartas à sua primeira mulher, Maria Augusta (em 1910), até uma para os filhos escrita de Moscou (em 1952), passando também pelos bilhetes que, da prisão, usava para se comunicar com Heloísa, sua segunda mulher.

Saiba mais.

.

Edições nacionais

1ª Edição: 1980 (Record)
Gênero: Correspondência
Edição mais recente pela Editora Record: 8ª (2011)

 

Edições estrangeiras

Não temos notícia de edições estrangeiras desta obra

 

Capas

 

Ilustrações

[em breve]

 

CONHEÇA A OBRA DE GRACILIANO RAMOS

  • Caetés (1933)
  • Caetés – edição especial 80 anos (2013)
  • S. Bernardo (1934)
  • Angústia (1936)
  • Angústia – edição especial 75 anos (2011)
  • Vidas Secas (1938)
  • Vidas Secas – edição especial 70 anos (2008)
  • Vidas Secas – em quadrinhos (2015)
  • Infância (1945)
  • Insônia (1947)
  • Memórias do Cárcere (1953)
  • Viagem (1954)
  • Linhas Tortas (1962)
  • Viventes das Alagoas (1962)
  • Garranchos (2012)
  • Cangaços (2014)
  • Conversas (2014)
  • A Terra dos Meninos Pelados (1939)
  • Histórias de Alexandre (1944)
  • Alexandre e Outros Heróis (1962)
  • O Estribo de Prata (1984)
  • Minsk (2013)
  • Cartas (1980)
  • Cartas de Amor a Heloísa (1992)
  • Dois Dedos (1945)
  • Histórias Incompletas (1946)
  • Brandão entre o Mar e o Amor (1942)
  • Memórias de um Negro (1940) Booker T. Washington, tradução
  • A Peste (1950) Albert Camus, tradução

“Os dados biográficos é que não posso arranjar, porque não tenho biografia. Nunca fui literato, até pouco tempo vivia na roça e negociava. Por infelicidade, virei prefeito no interior de Alagoas e escrevi uns relatórios que me desgraçaram. Veja o senhor como coisas aparentemente inofensivas inutilizam um cidadão.”

em carta a Raúl Navarro, tradutor, nov.1937