Obra

Insônia (1947) Capa da última edição

Insônia (1947)

Esta obra reúne treze contos em que estão presentes a secura emotiva e a economia vocabular, características estilísticas do autor, que convivem com a precisão psicológica.

.

Saiba mais.

.

Edições nacionais

1ª Edição: 1947 (José Olympio)
Gênero: Contos
Edição mais recente pela Editora Record: 30ª (2010)

 

Edições estrangeiras

em Portugal, desde 1962
na França, desde 1998

 

Capas

 

Ilustrações

 

No cinema

Insônia foi adaptado para o cinema em 1980 por Emmanuel Cavalcanti (segmento “Dois Dedos”), Luiz Paulino dos Santos (segmento “A Prisão de J. Carmo Gomes”) e Nelson Pereira dos Santos (segmento “Um Ladrão”).

Veja a página do filme no IMDb.

Abaixo, o segmento “Um Ladrão”, dirigido por Nelson Pereira dos Santos.

.

.

CONHEÇA A OBRA DE GRACILIANO RAMOS

  • Caetés (1933)
  • Caetés – edição especial 80 anos (2013)
  • S. Bernardo (1934)
  • Angústia (1936)
  • Angústia – edição especial 75 anos (2011)
  • Vidas Secas (1938)
  • Vidas Secas – edição especial 70 anos (2008)
  • Vidas Secas – em quadrinhos (2015)
  • Infância (1945)
  • Insônia (1947)
  • Memórias do Cárcere (1953)
  • Viagem (1954)
  • Linhas Tortas (1962)
  • Viventes das Alagoas (1962)
  • Garranchos (2012)
  • Cangaços (2014)
  • Conversas (2014)
  • A Terra dos Meninos Pelados (1939)
  • Histórias de Alexandre (1944)
  • Alexandre e Outros Heróis (1962)
  • O Estribo de Prata (1984)
  • Minsk (2013)
  • Cartas (1980)
  • Cartas de Amor a Heloísa (1992)
  • Dois Dedos (1945)
  • Histórias Incompletas (1946)
  • Brandão entre o Mar e o Amor (1942)
  • Memórias de um Negro (1940) Booker T. Washington, tradução
  • A Peste (1950) Albert Camus, tradução

“Os dados biográficos é que não posso arranjar, porque não tenho biografia. Nunca fui literato, até pouco tempo vivia na roça e negociava. Por infelicidade, virei prefeito no interior de Alagoas e escrevi uns relatórios que me desgraçaram. Veja o senhor como coisas aparentemente inofensivas inutilizam um cidadão.”

em carta a Raúl Navarro, tradutor, nov.1937