Obra

capa_Minsk

Minsk (2013)

Verde-liberdade, amarelo-alegria. Nas cores das penas do pequeno Minsk, a menina Luciana encontrou algo mágico: uma amizade verdadeira. Um parceiro para as brincadeiras no quintal. Um ouvinte para as tristezas de menina-moça. Um amor puro e descompromissado. Até o velho gato se encantou pelo periquito! E dividia de bom grado as sobras de comida. Enamoraram-se de cara e subverteram a ordem das coisas. Aliás, bem ao molde da pequena dona, que insistia em fazer tudo de seu jeito. Até andar de costas, esbarrando em móveis pela casa. Mas há dores mais doídas que uma quina no caminho…

.

Saiba mais.

.

Edições nacionais

1ª Edição: 2013 (Editora Record – RJ)
Gênero: Conto infanto-juvenil
Edição mais recente pela Editora Record: 01ª (2013)

Com ilustrações de Rosinha

 

Edições estrangeiras

Não temos notícia de edições estrangeiras desta obra

 

Capas

 

Ilustrações

.

CONHEÇA A OBRA DE GRACILIANO RAMOS

  • Caetés (1933)
  • Caetés – edição especial 80 anos (2013)
  • S. Bernardo (1934)
  • Angústia (1936)
  • Angústia – edição especial 75 anos (2011)
  • Vidas Secas (1938)
  • Vidas Secas – edição especial 70 anos (2008)
  • Vidas Secas – em quadrinhos (2015)
  • Infância (1945)
  • Insônia (1947)
  • Memórias do Cárcere (1953)
  • Viagem (1954)
  • Linhas Tortas (1962)
  • Viventes das Alagoas (1962)
  • Garranchos (2012)
  • Cangaços (2014)
  • Conversas (2014)
  • A Terra dos Meninos Pelados (1939)
  • Histórias de Alexandre (1944)
  • Alexandre e Outros Heróis (1962)
  • O Estribo de Prata (1984)
  • Minsk (2013)
  • Cartas (1980)
  • Cartas de Amor a Heloísa (1992)
  • Dois Dedos (1945)
  • Histórias Incompletas (1946)
  • Brandão entre o Mar e o Amor (1942)
  • Memórias de um Negro (1940) Booker T. Washington, tradução
  • A Peste (1950) Albert Camus, tradução
vidas-secas

Queria endurecer o coração, eliminar o passado, fazer com ele o que faço quando emendo um período — riscar, engrossar os riscos e transformá-los em borrões, suprimir todas as letras, não deixar vestígio de idéias obliteradas.

Memórias do Cárcere, cap. 5