Blog / Eventos

Obra de Graciliano Ramos é celebrada com exposição e livro

Publicado em 22 d setembro d 2014

Por GUILHERME SOBOTA
Para o jornal O Estado de S. Paulo
Link original

.

Lançamento da obra terá presença de familiares do escritor

Em 18 de setembro de 1910, o Jornal de Alagoas publicou um inquérito com um jovem literato alagoano que assinava G. Ramos de Oliveira – então com 17 anos, ele demonstra uma erudição impressionante ao listar impressões sobre O Guarani (que lera aos 10), afirmar que o “realismo nu de Adolfo Caminha e a linguagem sarcástica de Eça de Queiroz” o influenciaram e ter a capacidade de autoironia suficiente para dizer que seus primeiros textos, “pequeninos contos”, foram “verdadeiras criancices”.

.

Essa é a primeira das 25 entrevistas que Graciliano Ramos (1892-1953) concedeu a jornais e revistas durante sua vida, agora reunidas em Conversas (Record). O livro ainda traz respostas do escritor a enquetes e depoimentos, e ganha um lançamento de luxo: a exposição Conversas de Graciliano Ramos foi montada no MIS de São Paulo baseada no projeto de pesquisa de Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla, com curadoria de Selma Caetano. A mostra fica aberta até o dia 9 de novembro e tem entrada gratuita – até ontem, a exposição ficou fechada para visitação por motivos de segurança. Nesta segunda-feira, ocorre no MIS o lançamento do livro, às 19h, com presença de familiares do escritor e dos organizadores – em um coquetel aberto ao público.

A exposição foi montada de modo a dar voz a Graciliano – da sua voz mesmo, não existe nenhum registro. As entrevistas então são uma forma direta de ouvir o que o escritor tinha a dizer além da sua produção ficcional. “Foi legal mostrar como o Graciliano falava de tudo, contrariando uma imagem sisuda”, diz a curadora Selma Caetano. Todas as frases estampadas nas paredes são do próprio Graciliano.

Selma viajou, junto com o fotógrafo Walter Craveiro, por cidades de Pernambuco e Alagoas que têm ligação com a vida do escritor. O intercâmbio entre acervos – do Arquivo Público de Alagoas, do Museu Casa Graciliano Ramos, do Projeto Portinari e do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB/USP) – possibilitou uma reunião particular de imagens sobre a vida do escritor, de acordo com a curadora.

Há mais de dez anos pesquisando a obra de Graciliano, Ieda Lebensztayn e Thiago Mio Salla foram além do trabalho de compilação no livro: com intenso contato com fontes primárias, como jornais e documentos oficiais, eles apresentam aqui uma contribuição, também, para a história da imprensa no País, ao pontuar o livro com uma profusão de notas de rodapé que situam as entrevistas no contexto da publicação.

Um traço marcante apontado por Conversas, segundo os pesquisadores, é que a construção das principais obras do escritor “partiu de contos, de modo que os capítulos se singularizam por sua força dramática, concisão e autonomia”. “Tal particularidade formal se deve à concepção realista de Graciliano, que se empenhou por concentração dramática e estilística, e à sua necessidade financeira, que o levou a publicar contos/capítulos, crônicas e artigos na imprensa”, afirmam os pesquisadores, por e-mail.

O segundo volume de Conversas, ainda por concluir, reunirá depoimentos de amigos e familiares, também publicados na imprensa – gente como José Lins do Rego, Jorge Amado, Rubem Braga -, assim como uma entrevista inédita com Luiza Ramos Amado, filha de Graciliano.

Salla destaca um dos depoimentos dado pelo escritor à revista Diretrizes, em 1942. Perguntado se “poderia um nazista escrever um poema?”, Graciliano responde: “sim, devem fazer também poemas. Se não os fizessem, abandonariam completamente a espécie humana”.

“Ele atrela o conceito de ‘humanidade’ à possibilidade de criação artística”, conclui Salla.

Veja mais na categoria Eventos

CONHEÇA A OBRA DE GRACILIANO RAMOS

  • Caetés (1933)
  • Caetés – edição especial 80 anos (2013)
  • S. Bernardo (1934)
  • Angústia (1936)
  • Angústia – edição especial 75 anos (2011)
  • Vidas Secas (1938)
  • Vidas Secas – edição especial 70 anos (2008)
  • Vidas Secas – em quadrinhos (2015)
  • Infância (1945)
  • Insônia (1947)
  • Memórias do Cárcere (1953)
  • Viagem (1954)
  • Linhas Tortas (1962)
  • Viventes das Alagoas (1962)
  • Garranchos (2012)
  • Cangaços (2014)
  • Conversas (2014)
  • A Terra dos Meninos Pelados (1939)
  • Histórias de Alexandre (1944)
  • Alexandre e Outros Heróis (1962)
  • O Estribo de Prata (1984)
  • Minsk (2013)
  • Cartas (1980)
  • Cartas de Amor a Heloísa (1992)
  • Dois Dedos (1945)
  • Histórias Incompletas (1946)
  • Brandão entre o Mar e o Amor (1942)
  • Memórias de um Negro (1940) Booker T. Washington, tradução
  • A Peste (1950) Albert Camus, tradução

“A palavra não foi feita para enfeitar, brilhar como ouro falso.
A palavra foi feita para dizer.”

em entrevista a Joel Silveira, 1948